quinta-feira, 5 de março de 2015

CSP-Conlutas chama Dia Nacional de Lutas para esta sexta-feira, dia 6.


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A Central Sindical e Popular CSP-Conlutas, que reúne sindicatos de trabalhadores e movimentos sociais, está convocando nacionalmente para o dia 6 de março, sexta-feira, um dia de paralisações contra as políticas de austeridade que afetam milhões de trabalhadores e que retiram direitos, como os previdenciários e trabalhistas.

 A paralisação convocada pela Central é um primeiro momento que pode culminar com a chamada de uma greve geral nacional contra o que considera de ataques aos trabalhadores e ao patrimônio público, como as denúncias envolvendo a Petrobras e que, por outro lado, incentivam setores da oposição ao Governo Dilma a privatizarem a companhia.

Em Lauro de Freitas, para marcar a data convocada pela CSP-Conlutas, ASPROLF sindicato, participa de um ato público na Praça João Tiago dos Santos, S/N - Centro, Lauro de Freitas em frente á Prefeitura, no qual distribuirão panfletos alertando para o momento pelo que passa o país, o ato será realizado nesta sexta-feira, 6, com concentração a partir das 9h .

Na pauta do Dia Nacional de Lutas e Paralisações, contam itens de reivindicação como:

 - Contra o ajuste fiscal e as reformas dos governos federal, estaduais e municipais;

 - Contra o projeto de lei das terceirizações;

 - Fim das demissões e redução da jornada de trabalho;

 - Defesa da Petrobras Estatal e pela punição e confisco de bens de corruptos desde o governo FHC;

 - Contra os cortes no Orçamento e de verbas da educação e da saúde;

 - Suspensão do pagamento da dívida aos banqueiros.

A nossa classe precisa se unir e dar uma resposta à altura às Medidas Provisórias 664 e 665 que restringem os direitos trabalhistas e as pensões. Dar um basta às terceirizações e à precarização do trabalho que vão se aprofundar com a aprovação do Projeto de Lei 4330. Ir às ruas contra as privatizações, as demissões, contra o aumento no preço dos alimentos e das tarifas de água, luz e gasolina. Ir às ruas contra o beneficiamento aos banqueiros, empresários, o agronegócio e os corruptos e corruptores.

Local - Praça João Tiago dos Santos, S/N - Centro, Lauro de Freitas, na frente da Prefeitura. 

quarta-feira, 4 de março de 2015

Assembleia: Hoje os trabalhadores em educação avaliaram a situação da rede e aprovam propostas

Os trabalhadores que estiveram na assembleia do turno da tarde retificaram as deliberações ocorridas durante a manhã, como a permanência do estado de greve,  esclarecimento à sociedade quanto à situação da rede e a construção de uma agenda de luta da categoria


Dando sequência aos trabalhos realizados durante a manhã nessa assembleia geral extraordinária da categoria os trabalhadores em educação de Lauro de Freitas, os companheiros que estiveram presentes agora à tarde, ratificaram as propostas aprovadas no turno da manhã; quando foi discutido as alteração do artigo 11 §3º, que permite o diretor e vice-diretor a ser indicado, excepcionalmente no triênio 2016-2018, na mesma unidade de ensino ou em outra, onde não houver o pleito eleitoral; e consequentemente, exclusão do artigo 17.

Também ficou acordado com o turno vespertino as seguintes propostas deliberadas e aprovadas pela categoria  na primeira hora da assembleia, que aconteceu durante o dia de hoje na Escola Municipal Dois de Julho no bairro de Itinga:

  •   Esclarecer a sociedade o que está acontecendo (por meio de carro de som e carta aberta);
  •   Início da Campanha Salarial 2015 a partir de hoje;
  • Enviar ofício ao governo solicitando reunião a próxima segunda-feira que discutirá as demandas do movimento e iniciará a primeira rodada de negociação salarial;
  • Retorno às aulas a partir de amanhã, com permanência do estado de greve;
  • 06/03 (sexta-feira): Ato Público na Praça de Lauro, às 09h, aderindo ao Ato convocado pela CSP Conlutas, “Dias de Lutas e Paralisações”;
  • 09/03 (segunda-feira): expectativa de reunião com o governo;
  • 10/03 (terça-feira): Assembleia Geral Extraordinária na Praça de Lauro, às 14h;
  • 13/03 (sexta-feira): Adesão ao Ato convocado pela CNTE em defesa da Petrobras e dos nossos direitos.







Na volta dos trabalhos legislativos vereadores e governos se calaram ante à crise na rede

 
Na sessão de inauguração do ano legislativo na CMLF as posições dos edis e do governo provaram que eles não estão nada preocupados a precarização na rede municipal de ensino

A ASPROLF Sindicato dos Trabalhadores em Educação no município de Lauro de Freitas esteve presente nesta terça-feira (3) na abertura dos trabalhos da Câmara Municipal para este ano como ouvinte.

A sessão que contou com a abertura do prefeito Márcio Paiva, também foi assistida por dezenas de trabalhadores municipais da educação que ficaram inquietos com a postura do governo que não demostrou preocupação com a problemática na pasta da secretária Adriana Paiva e o estado de greve que vive a rede municipal de ensino.

Nos discursos da cerimônia, nenhum dos edis presentes citou a problemática o caos instalado nas escolas do município a não ser para elogiar as ações do governo, ignorando o momento preocupante que a cidade de Lauro de Freitas está vivendo na educação, fato que está estampado nos principais meios de comunicação da Bahia. Ficou claro para quem estava presente no evento de abertura da CMLF que as posições tantos dos vereadores quanto da gestão municipal, não são de confiança para a categoria, ou seja, se depender desse governo não teremos nossos direitos garantidos.

Entretanto sabemos que não estamos sós. Estamos juntos unidos e vamos continuar na luta para fazer esse enfrentamento na busca dos nossos direitos, o que evidentemente se reflete na qualidade da educação pública no nosso município. Não podemos nos dispersar nunca dos nossos objetivos. Juntos somos ainda mais fortes.

Trabalhadores em educação estão em assembleia hoje avaliando a situação da rede

A permanência do estado de greve,  esclarecimento à sociedade e a construção de uma agenda de luta foram as deliberações desse primeiro turno da assembleia

ASPROLF Sindicato dos Trabalhadores em Educação no município de Lauro de Freitas está realizando durante a manhã e à tarde de hoje (4) Assembleia Geral Extraordinária na Escola Municipal Dois de Julho no bairro de Itinga, para discutir junto à categoria temas ligados à pauta da última assembleia (25.02), além dos problemas na rede pública municipal que estão comprometendo o início deste ano letivo.

Durante essa manhã as discussões foram divididas em duas partes. A primeira deliberou sobre alterações na Lei do Gestor Escolar, assunto que entrou na pauta de discussões na última assembleia extraordinária e hoje foi intensamente debatido pela categoria que propôs o seguinte: Alteração do artigo 11 §3º, que permite o diretor e vice-diretor a ser indicado, excepcionalmente no triênio 2016-2018, na mesma unidade de ensino ou em outra, onde não houver o pleito eleitoral; e consequentemente, exclusão do artigo 17.

Na segunda parte do debate os trabalhadores em educação avaliaram os problemas na rede municipal de Lauro de Freitas que vem sofrendo com falta de efetivo nas escolas e de mobiliário tanto para o professor como as carteiras para os alunos, entre outras muitas pendências.

Na última segunda-feira (2) a categoria foi convidada para uma reunião com o prefeito Márcio Paiva no Centro Cultural de Portão às 15h para discutir soluções para esses entraves mas ele não compareceu e nem mesmo esclareceu o motivo da ausência.Por conta disso, a situação de caos na rede segue e com esse déficit de sala de aula só aumenta, tanto no comprometimento com a qualidade de ensino (o que ficou claro não preocupar o governo), tanto na quantidade suficiente de profissional para atender às demandas das escolas. Em virtude desse descaso por parte da gestão municipal, foi deliberado pela categoria as seguinte propostas:
§  Esclarecer a sociedade o que está acontecendo (por meio de carro de som e carta aberta);
§  Início da Campanha Salarial 2015 a partir de hoje;
§  Enviar ofício ao governo solicitando reunião a próxima segunda-feira que discutirá as demandas do movimento e iniciará a primeira rodada de negociação salarial;
§  Retorno às aulas a partir de amanhã, com permanência do estado de greve;
§  06/03 (sexta-feira): Ato Público na Praça de Lauro, às 09h, aderindo ao Ato convocado pela CSP Conlutas, “Dias de Lutas e Paralisações”;
§  09/03 (segunda-feira): expectativa de reunião com o governo;
§  10/03 (terça-feira): Assembleia Geral Extraordinária na Praça de Lauro, às 14h;
§  13/03 (sexta-feira): Adesão ao Ato convocado pela CNTE em defesa da Petrobras e dos nossos direitos.

A Assembleia segue agora à tarde e vai prosseguir com as discussões dos temas debatidos pela manhã e incorporar novas pautas que ocorrerem.





segunda-feira, 2 de março de 2015

À Portas Fechadas: Prefeito marca e não comparece à reunião com ASPROLF e trabalhadores da educação


O prefeito Márcio Paiva não compareceu à reunião marcada com os trabalhadores

Apesar de um dia ter afirmado que para ele “educação é prioridade”, o prefeito Márcio Paiva não compareceu à reunião marcada com os trabalhadores e nem deu satisfação

Contrariando seu discurso de que para ele “educação é prioridade”, o prefeito de Lauro de Freitas, Márcio Paiva, não compareceu à reunião marcada hoje (2) às 15h no Centro Cultural de Portão com a ASPROLF Sindicato e trabalhadores da educação para discutir os problemas na rede municipal de ensino que estão comprometendo o início do ano letivo.

A reunião foi agendada no último dia 25, pela secretária municipal da educação, Adriana Paiva, que naquele dia, convidou a ASPROLF para discutir as demandas da rede que estão impactando no não funcionamento das escolas, que sofrem com a precariedade de infraestrutura e pessoal.

O Sindicato e a categoria chegaram ao local antes do horário marcado e esperou até às 16 horas pelo gestor municipal que não compareceu e nem deu satisfação sobre sua ausência. Sendo assim, ali mesmo foi deliberado não esperar por mais que uma hora pelo prefeito. Após às 16 horas, a secretária Adriana Paiva chegou ao local sem o prefeito, mas por causa da longa espera e conforme acordado, os trabalhadores já haviam deixado o espaço.

A categoria que está em estado de greve e em paralisação de 48 horas a começar de hoje por conta dos muitos problemas na rede, saiu do local insatisfeita e com a real sensação de descaso e desinteresse do governo em resolver esse que é um dos mais graves problemas que uma gestão que “um dia disse ser pela educação” pode enfrentar.


Amanhã às 14h a ASPROLF e os trabalhadores da educação estarão presentes na abertura dos trabalhos da Câmara Municipal de Lauro de Freitas, no centro da cidade, quando fará novo ato público para discutir a situação da rede e na quarta-feira (4) realizará uma assembleia em dois turnos na Escola municipal Dois de Julho em Itinga, para decidir os rumos do estado de greve em que se encontra.

 

Paralisação: Problemas estruturais e de pessoal ameaçam o início das aulas no município de Lauro de Freitas




Os Trabalhadores da Educação do município de Lauro de Freitas estão em estado de greve por conta de problemas estruturais na rede. Além disso, eles alegam que o ano letivo não pode começar por falta de professores. Hoje (2) e amanhã (3) os trabalhadores fazem uma paralisação de 48 horas com ato público nos dois dias. Sendo que hoje o ato público acontece logo mais às 15 horas no Centro de Cultura de Portão, onde também haverá um encontro com o prefeito Márcio Paiva para debater a situação na rede; e amanhã um novo ato às 14 horas, na abertura dos trabalhos da Câmara Municipal de Lauro de Freitas.


Confira as informações na reportagem da rádio CBN Salvador (91,3).





quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Trabalhadores em Educação da rede municipal de Lauro de Freitas decidem entrar em estado de greve


Falta de profissionais da educação e condições das escolas são principais problemas que comprometem o início do ano letivo na rede municipal

A ASPROLF Sindicato dos Trabalhadores em Educação do município de Lauro de Freitas realizou, na tarde da quarta-feira (25), na AFPEB (Associação dos Funcionários Públicos do Estado da Bahia), assembleia geral extraordinária com indicativo de greve que avaliou o resultado da reunião entre a ASPROLF e a SEMED, ocorrida na manhã do mesmo dia. 

Na referida reunião, foram discutidos problemas de infraestrutura nas escolas da rede, o que compromete o andamento das aulas e, em alguns casos, até oferecem risco tanto para o aluno como também para os funcionários da escola. Segundo a secretária de educação, Adriana Paiva, o executivo acompanha essas reformas e admite que algumas delas extrapolaram o prazo de entrega. De acordo com entidade sindical, os trabalhadores em educação não são responsáveis com as obras na unidades escolares durante o andamento do ano letivo, por isso não admitirá qualquer documento oficial do governo de reposição de aulas por conta dessas obras. Além disso, outros problemas foram elencados, como por exemplo do déficit de carteiras e mobiliário para o professor, ventiladores, quadros, ect. Paiva, contra-argumentou que “as escolas da rede municipal estão prontas hoje para receber os alunos, apesar dos vários problemas estruturais que a gestão dela tem encontrado e venha trabalhando na tentativa de resolvê-los”.
Sobre a correção do pagamento de 1/3 de férias, que alguns servidores receberam a menor, a resposta é que essa diferença será paga agora no contra cheque de fevereiro, assim como a rescisão dos auxiliares de classe do “antigo REDA”. Por falar nisso (em REDA), a gestão municipal continua chorando perdas com a folha de pagamento da educação e usando isso como justificativa para contratação de novos profissionais (REDA e Estagiários do IEL). Para a ASPROLF, a precarização da educação e a não valorização de profissionais comprometerão a qualidade do ensino público, luta constante do sindicato, que defende concurso público.

No caso da rescisão, a secretária afirmou que as pendências do ano de 2012 não são prioridades do governo. Entretanto, garantiu realizar estudo financeiro a fim de que encontre margem para o pagamento dessas rescisões (2012), construindo, para isso, um cronograma.

Com relação a Tabela de Pagamentos de 2015, ficou acertado que será feita e entregue.  Assim como nesse caso, a ASPROLF pontua que tão importante quanto a criação da Tabela também é o compromisso e comprometimento da administração no pagamento no dia certo (último dia útil do mês, pela manhã).

Para o Enquadramento, ficou acertado agendamento de reunião para próxima semana. Os casos de processos parados, retroativos não pagos, dedicação exclusiva, o executivo afirmou que não dá para resolver ali sem que antes definam as prioridades das negociações deste ano.

Outro ponto foi a criação de uma previdência própria para os servidores municipais, o que além de ser viável para a gestão municipal também é para o trabalhador que recebe a aposentadoria integral sem sofrer o com Fator Previdenciário, cálculo específico na previdência comum (INSS) e que acaba desvalorizando o salário do trabalhador. Sobre isso a secretária disse que o prefeito Márcio Paiva mostrou interesse no assunto e pretende após recebimento de documentos enviar para a Câmara.

Após exposição dos fatos, os trabalhadores em educação, que tiveram o apoio de estudantes das escolas municipais, do movimento estudantil e da sociedade civil presente, resolveram deliberar a seguinte proposta que foi aprovada pela grande maioria dos presentes.   


Proposta aprovada na tarde de ontem (25):

·         Estado de greve;

·         Operação tartaruga nas escolas municipais, nos três turnos, nos dias 26 e 27 (quinta e sexta) de fevereiro (paralisar as atividades nos intervalos);

·         Paralisação de 48 horas, nos dias 02 e 03 (segunda e terça) de março, com concentração da categoria, nas negociações, às 15h do dia 02 no Centro de Cultura de Portão; e presença da categoria, no retorno dos trabalhos legislativos, às 14h do dia 03 na Câmara Municipal de Lauro de Freitas;

·         Assembleia Geral Extraordinária, nos dois turnos (manhã, 09h; tarde, 14h) da quarta-feira, 04/03, na Escola Municipal  Dois de Julho, em Itinga, para discutir revisão do projeto de lei de diretor escolar e as negociações.

Confira no vídeo momento da aprovação das propostas.